Aniversário da Cirurgia

Hoje faz exatamente um ano da cirurgia, e bom… Muitas idas e vindas de dores, inchaços, mas preciso ser bem sincera e dizer que minha recuperação foi a melhor possível.

Primeiro, cheguei a conclusão que tive uma puta sorte de ter feito cirurgia ao invés de só colocar o osso no lugar e por gesso. Ouvi inúmeras histórias de pessoas que tiveram fraturas, não fizeram cirurgia e passaram por muitas complicações ou demoraram muito a se recuperar. Segundo, eu voltei a andar muito rápido, da cirurgia até os primeiros passos sem muleta foram mais ou menos 45 dias.

Algumas coisas mudaram desde o último post sobre a saga da perna quebrada. Me perguntavam muito se meu tornozelo doía quando fazia frio e não doía, mas 6 meses depois da cirurgia (entre setembro e outubro) meu tornozelo passou a doer MUITO. Naquela época, qualquer mudança de temperatura tinha efeito sobre minha perna: No frio, doía muito a região onde ficam os pinos e a placa, no calor meu pé inchava horrores. Inchaço era uma coisa muito frequente logo que voltei a trabalhar, meu pé inchava MUITO e todos os dias. Eu chegava em casa do trabalho, e tinha que colocar ele dentro de um balde de água gelada e com bastante gelo. Mesmo que o frio fizesse meu pé doer, essa era a única maneira de diminuir um pouco a dor.

Depois de um tempo, eu parei de sentir dores e meu tornozelo voltou praticamente ao normal. Conseguia subir e descer escadas normalmente (logo quando eu voltei a andar tinha bastante dificuldade em descer escadas, e sempre evitava lugares que tivessem), parei de mancar e já não tinha inchaços. A fisioterapeuta disse que é normal inchar por pelo menos um ano. Procurei o meu ortopedista e ele me recomendou uma pomada pra aplicar na região e disse para usar uma tornozeleira. Quando sinto incômodos, chego em casa da academia, tomo um banho, passo a pomada e fico com a tornozeleira até a hora de dormir, mas dificilmente tenho precisado fazer isso.

Falando nisso, exercício físico é um bom tópico pra ser abordado! Na minha penúltima consulta com meu médico em Junho, perguntei quais exercícios eu podia fazer, ele disse que o ideal seria fazer apenas exercícios sem impacto no tornozelo, como bicicleta e natação. Musculação? Nem pensar. Apesar de ter lido em muitos lugares que musculação LEVE focando nos treinos de fortalecimento era essencial pra recuperação, decidi acatar a recomendação dele.

Desde Agosto, tenho feito natação e agora, 1 ano depois da cirurgia, tenho começado com os exercícios de musculação. Tentei correr, mas não deu muito certo… Quer dizer, até deu, mas dói bastante depois, então preferi evitar e fazer outros tipos de exercício.

Também me perguntaram sobre salto alto, e na verdade nunca fui de usar salto, mas das poucas vezes que usei depois da cirurgia foi BEM incomodo, não sei se é pela minha falta de habilidade ou se a cirurgia tem culpa nisso, mas o tornozelo dói bastante.

Resumindo: Hoje em dia faço tudo normalmente, mas ainda tenho muito medo de andar em calçadas e ainda tropeço bastante  ¯\_(ツ)_/¯ AHAHAHA

Se tiver alguma dúvida ou alguma pergunta pra fazer, mande nos comentários que ficarei feliz em responder!
Beijos, até mais (:
Anúncios

Eu sou o Wolverine

Nas últimas 6 semanas (42 dias pra ser mais exata), minha vida tem se resumido à dormir, comer, ficar na internet, ver Discovery Home and Health e ir pra fisioterapia. Queria ter detalhado mais o processo de recuperação do meu tornozelo, mas só fui me dar conta de que não estava fazendo nada de útil com meu tempo fazem algumas semanas, e com a fisioterapia e a ansiedade pra minha festa de formatura, acabei não tendo muito vontade tempo.

Farei um breve resumo: (mentira, não sei ser breve)

Continuar lendo

Como sobreviver a uma perna quebrada

Bom, o Projeto Vida Saudável falhou por motivos de: hoje faz 1 mês desde o acidente em que eu quebrei meu tornozelo. E não, não tem nenhuma história fantástica por trás disso. Eu simplesmente cai na rua so-zi-nha enquanto estava indo pra academia, e isso me rendeu uma bela cirurgia, uma placa, seis pinos e dois parafusos.

Eu no Hospital

Cirurgia? Que daora!

Vocês podem não saber, mas é INCRÍVEL a quantidade de blogs que são criados por pessoas que quebraram a perna e precisaram ficar um tempo em casa. Achei vários, de vários idiomas, de homens, mulheres, pessoas fisicamente ativas, pessoas sedentárias, uma história diferente da outra, mas nenhuma tão tosca quanto a minha. Todos eles tem informações muito úteis sobre fraturas e a recuperação, mas também todos eles foram abandonados e é uma pena porque eu ainda to cheia de dúvidas sobre o assunto :/

E então eu decidi fazer esse post para uma consulta de alguém que futuramente vai quebrar a perna, e vai estar tão entediado quanto eu estava às 3 da manhã sem sono. E para por esse blog pra funcionar, porque né… Estamos em maio e eu só tenho 3 posts.

Ai vão 23 observações e dicas para lidar com um tornozelo / pé quebrado, segundo a minha experiência:

1. A história de “Vai passar rápido, você vai ver” é diretamente proporcional ao ditado “Pimenta nos olhos dos outros é refresco”. Pra você vai ser uma eternidade, e você não vai ver a hora de poder andar normalmente de novo.

2. O Facebook fica um saco, e aos poucos as outras redes sociais também ficam. O Instagram vai ficar chato, você vai tentar usar esse tal de Snapchat e vai se sentir como um idoso avesso a tecnologias, e nada vai ser capaz de sanar seu tédio na internet.

3. Muletas são instrumentos do capeta. Elas machucam suas axilas, suas mãos, seus pulsos, seus ombros, e até mesmo o pé bom que vai doer tanto quanto o pé quebrado. AH, os quadris também vão doer.

4. Cadeiras de rodas: são mais fáceis pra você, mas super complicado pros outros. São pesadas e se você não tiver uma van, elas simplesmente não vão entrar no carro. Quer dizer, vão, mas só vai ter lugar pra você, pro motorista e pra cadeira. E o pior de tudo é que você sente na pele como é a vida de um deficiente físico, especialmente um cadeirante. É cruel. Os lugares são apertados, cheios de degraus, escadas, sem rampas, os banheiros não tem apoios e também são apertados, quando um estabelecimento tem elevadores, eles são longe, as pessoas que poderiam usar as escadas estão usando os elevadores, as calçadas são impossíveis. Enfim, você passa a se preocupar com a acessibilidade dos lugares, e se sentir mal por aqueles que tem uma deficiência que não é temporária como a sua.

5. A vantagem é que você não pega mais filas pra nada. Mas imagina uma grávida… 9 MESES NÃO PEGANDO FILA NEM PROCURANDO VAGAS EM ESTACIONAMENTO. Demais.

6. Você vai ficar super cansado sempre. Então é preciso muitas e muitas horas de sono pra poder melhorar esse cansaço e ainda sim não vão ser o suficiente. (As pessoas não vão entender e você vai ser chamado de preguiçoso)

7. Uma dica boa: Em casa, eu tenho uma cadeira de escritório e eu uso ela pra tudo! Como moro em apartamento e é tudo plano, isso tem facilitado minha vida desde que eu voltei do hospital.

8. Você vai querer comprar tudo pela internet.

9. Dormir com uma montanha de travesseiros ou cobertores para poder elevar o pé é extremamente desconfortável, e ás vezes você não vai conseguir dormir por isso, mas infelizmente é necessário pois diminui muito o inchaço.

10. Água, água, água, você vai sentir muita sede.

11. Coma antes de alguém da sua casa ir dormir! É impossível assaltar a geladeira no meio da noite sem fazer barulho de cadeira de escritório rolando na casa inteira.

12. Falando em alimentação, COMA DIREITO. Honestamente, não tenho feito isso porque ando muito enjoada e sem apetite, mas a tendencia das pessoas que quebram a perna é engordar E MUITO! Cuidado com isso.

13. Pessoas aleatórias vão querer saber o que aconteceu com você (e elas vão rir da sua cara, caso você tenha caído sozinho na rua)

14. Inclusive você vai ouvir todo o tipo de história de amigo do primo da sua vizinha que quebrou o pé também, que caiu ou algo assim. Ontem mesmo, conheci uma senhorinha na fisioterapia que caiu de UMA LAJE DE 4 METROS DE ALTURA e não quebrou nada, NADINHA, mas tava fazendo sessões de fisio, porque tava sentindo “a perna puxar” de uns tempos pra cá e o medico recomendou. Agora gente, imagina minha cara…

15. Tomar banho precisa ser algo planejado. Você vai sempre depender de alguém pra te ajudar em alguma coisa. Eu por exemplo, tenho uma cadeira de plástico no banheiro, e consigo tomar banho sozinha, mas alguém sempre precisa me colocar nela pra poder evitar um outro acidente. Então fico esperando sempre ter alguém disponível em casa pra me colocar no banho.

16. Você vai sempre usar as mesmas roupas. Não é qualquer calça ou shorts que passa pelo seu gesso, bota ou curativo. No meu caso, tive que pedir para comprarem camisolas novas porque é trabalhoso demais usar shorts de pijama. Calças jeans? Esquece. Inclusive esses dias uma amiga me perguntou: “Você já tinha tantos vestidos assim ou você teve que comprar novos por causa da perna?”.

17. Sua pele vai ficar escamosa e com uma coloração diferente por conta da lesão e da desidratação dessa parte do seu corpo, principalmente se você tiver que usar gesso por muito tempo, e vai ficar bem feio (meu namorado apelidou meu pé carinhosamente de “pé de mendigo”).

18. Tenha uma régua ou uma agulha de crochê sempre por perto. A coceira dentro do gesso é desesperadora.

19. As pessoas vão achar que só porque você tem tempo livre, você vai poder fazer tudo o que quiser, e não vai. Quebrar o pé te deixa tão limitado, que até arrumar suas gavetas é difícil.

20. Procure não quebrar a perna antes do seu baile de formatura da faculdade. Vai te poupar muita frustração.

21. Você vai procurar todo o tipo de serviço a domicílio. Manicure, cabeleireiro, massagista, entrega de marmitex, tudo.

22. Algumas pessoas serão agradáveis e solicitas com você por conta da sua lesão. Alguns vão ignorar completamente você por causa disso.

23. Você vai querer se exercitar, porque ficar deitado ou sentado o dia todo é terrível, vai parecer o tempo todo que você precisa estalar as costas e outras partes. Achei esse vídeo no youtube e tenho seguido ele pra me exercitar.

BÔNUS. Ter pais dedicados ajuda na sua recuperação em 80%. Mãe, pai, obrigada por tudo, amo vocês ❤

Texto looooooongo. Mas se ele te ajudar de alguma forma, eu quero saber, então mande um alô 😉